terça-feira, 17 de novembro de 2015

SE É PARAÍSO, TEM QUE CHEIRAR BEM

A ideia nasceu assim: moro na cidade de Porto Seguro, uma cidade linda, mas que tem cheiro de peixe frito. Um lugar-colírio, mas peixe frito só seria o aroma do paraíso no caso de alguém faminto e, de preferência, que goste de peixe (risos).

Besteiras minhas...

É só uma brincadeira e um exagero, mas que me permite introduzir mais um de meus devaneios, em uma de nossas mesas-redondas: "Qual é o cheiro do Paraíso?"
E vejam bem: usei letra maiúscula para sinalizar que não se trata de algo comum. Falo aqui do Paraíso edênico, de um lugar que habita o nosso imaginário e a Literatura, onde tudo é bonito, harmonioso: perfeito.
Então pensemos: se é Paraíso, tem que cheirar bem. E qual seria o perfume do Paraíso?
Se beleza, harmonia e perfeição são as palavras que definem esse lugar, é a partir dessas palavras que pensarei no perfume.
Uma das campanhas de Kenzo pour Homme trazia escrito algo como "enquanto isso na outra extremidade do mundo". Esse perfume contém, em sua estrutura aromática, um frescor marinho, sutilmente ressignificado pela sutileza das flores, com o requinte das madeiras que crescem nas montanhas, como os pinheiros e o cedro. É belo e harmonioso o suficiente para que figure entre os aromas que, sugiro eu, devem captar o perfume do Paraíso, ou seja, a frase da peça publicitária de Kenzo deveria ser: Enquanto isso no Paraíso..." Isso para aqueles que não conseguem pensar no paraíso sem pensar no mar, ma maresia, nas matas, no vento. Kenzo pour Homme é a nobreza das manhãs praieiras que figura nas encostas verdes de algum recanto intocado.
Outra forma de conceber o Paraíso: campos floridos, iluminados. A luz das pétalas, do colorido, da manhã. A alegria. J'adore L'Eau Cologne Florale. Uma fragrância que surge dez anos após o estrondoso J'adore, com uma releitura divinamente harmoniosa e iluminada. São tons florais nobres e delicados de magnólias, ylang-ylang e flor de laranjeira e combinados com os citrinos de forma a revelar o otimismo da nova estação, cheia de frescor e vitalidade.
Outra fragrância que me ocorre aos galopes quando o tema é paraíso: a criação sui generis de Cacharel: Eden. Já o citei em outro momento, numa outra mesa-redonda, que me rendeu uma interessante postagem: "A poção da eternidade". Falava em perfumes eternos, criados para tornar alguém imortal. Agora Eden é também sinônimo de paraíso. Ele é o nome do próprio Paraíso: o Jardim do Éden. E tem muito a ver com eternidade, imortalidade, enfim. Se é o Paraíso, sofrimento, dor e morte não existem, pelo menos enquanto durar o prazer, lembrando nosso imortal Vinícios de Moraes. Eden é um perfume floral intoxicante, de base verde, o qual aprisiona a alma das flores ofegantes, para que você possa delas desfrutar. Tem um apelo "envelhecido" que o torna vintage e peculiar.


Agora, que tal o Paraíso concebido entre quatro paredes, entre os lençóis, com luz branda e a dois?! O leitor pode até sorrir neste momento e achar que minha descrição mais se aproxima de um "inferninho" (hahahha). Nada disso: morder o fruto proibido foi desfrutar do Paraíso em todas as suas potencialidades e atingir a plenitude do prazer, mesmo que depois tenha havido vergonha e coisa e tal; nada que uma boa terapia não resolva (risos).

À parte a brincadeira, estar em paz consigo é estar no Paraíso. Estar em paz consigo e ao lado de alguém que se deseja e/ou ama, é estar no Paraíso com bônus de visitante Vip. E o perfume tem de ser Hypnotic, de Dior. A começar pelo formato do seu frasco, lembrando a tentação, a maçã, o vermelho, a sedução. Sua fragrância é uma afronta ao recato e ao pudor, com ondas insinuantes de acordes doces, cálidos e cremosos: ameixas, damascos, amêndoas, baunilha, coco, caramelo e madeiras nobres fazem de Hypnotic algo tentador e infalível.
Se o oposto de Hypnotic é ser angelical, não sugeriria Angel, de Thierry Mugler por duas razões: andaram confundindo inocência com pasmaceira (hahaha), além do que o oposto de tanta luxúria e prazer, mas que contenha a essência do Paraíso, há de ser sutil, suave e onírico: Esencia de Duente, de J. del Pozo. Um floral fresco, com acordes aquáticos, levemente adocicado, contendo jasmim, lírio-do-vale, lótus e jacinto, além de madeiras como cedro, sândalo e mogno, É uma sinfonia leve e cristalina. Não traz o cheiro das matas, onde provavelmente vivem os duendes, mas das margens de lagos calmos, límpidos e refrescantes. Uma pureza inspiradora.
Para fechar, o impacto terroso que abre horizontes de possibilidades: Terre D'Hermès. Um paraíso pronto pra ser criado, do jeitinho que você escolher: tem a liberdade, tem a sedução.
Bem: é isso! Espero que tenham gostado das minhas sugestões.
Gostaria, agora de saber de vocês, leitores: qual o perfume do seu Paraíso? Vamos lá! Participem!
...................................................
Visitem também os posts de meus queridos:
Parfumée
Floral e Amadeirado
A Louca dos Perfumes
Templo dos Perfumes




12 comentários :

  1. Esencia de Duende é um paraíso particular Cris... Que coisinha mais delicada, realmente como fadas e sílfides a voar! Tem tanta beleza nessa sutil combinação de natureza.
    De Eden a EdD, uma floresta idílica e encantadora! Como sempre, esplêndido!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pri, obrigado!
      Um prazer ter você por aqui, com suas considerações.

      Excluir
  2. Gostei muito Cris, em especial das colocações da contemplação, do prazer em si mesmo e do jardim da imortalidade. Me identifiquei com várias coisas e vários perfumes :3
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. que primor de texto cris! percebi nossa volta muito inspirada! falar de paraíso parece que extrai o melhor de nós! Por acaso estou aguardando meu kenzo pour homme....hmmmm! bjao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom ter você por aqui!
      Sabe que também senti todo mundo mais inspirado?!
      Beijo!

      Excluir
  4. Cara eu gostei de tudo!
    belo apanhado.
    texto gostoso de ler tbm

    parabens

    ps: queria poder enxergar toda essa beleza que vc ve em Kenzo pour Homme haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahah
      Sabe que já ouvi de um amigo meu algo parecido?!
      Essa coisa do gosto é muito subjetiva mesmo, né?!
      Abraço, cara!

      Excluir
  5. Que paraíso polêmico, Lord Cris!
    Pra mim também, paraíso é mata, pura, verde escura, refrescante. E Eden, apesar de representar o paraíso de outra dimensão, abafado por incensos, ainda consegue trazer a imagem perfeita do termo.
    Eu preciso agora é reavivar o Duende na minha vida porque o Esencia infelizmente não foi pra mim...Não sei que nota é aquela mas posso jurar de pezinhos juntos, cheira óleo de cozinha hihi.
    Beijos, querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lily e suas comparações mais que curiosas (hahahahah).
      Adoro!
      Saudade de você.

      Excluir
  6. Perfumes de fato paradisíacos heim! Delicia a menção ao querido Essencia de Duende, perfume mágico! Cheiro de ninfas aquáticas. Nereidas? Esqueci o nome... E acho que o Angel tem sim certa inocência, nada tola porém. Mas não chega ao nível do diabólico HP!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diabólico... Isso mesmo! Ótimo adjetivo!
      Beijosss!

      Excluir

Participe deste blog. Vamos trocar experiências olfativas!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...