segunda-feira, 13 de outubro de 2014

"Oh! que saudade que tenho da aurora da minha vida..."

Esse famoso verso do escritor romântico Casimiro de Abreu é um lamento nostálgico que evidencia um eu lírico triste e saudoso. E saudade é algo curioso: dor que às vezes vem aguda; outras vezes, chega tão serena e tão sorrateira que não dói e fica gostosa de se sentir... E é assim, dessa maneira imprevisível, que me vêm à lembrança certos aromas, certos perfumes que, mais do que fragrâncias, tornaram-se marcos indestrutíveis de saudosos momentos de minha vida.
Penso que a comercialização de um perfume deveria respeitar certas normas que considerassem e respeitassem a relação e a história do consumidor com a fragrância. Digo isso porque tenho percebido uma enorme falta de trato de algumas empresas que simplesmente descontinuam a produção de um perfume por diferentes razões e deixam sempre alguém desamparado de explicações e sem o seu perfume preferido.
Digam-me, leitores: quem já não passou por isso?
Um perfume é bem mais que um cosmético capaz de conferir um bom odor a quem o usa. Pelo fato de alcançar nossos sentidos, torna-se algo prazeroso, poético e determinante em alguns (e de alguns) contextos. Por isso penso que, ao descontinuar um perfume, não é simplesmente uma atividade de praxe que ocorre, ou seja, não é simplesmente uma atividade prevista em qualquer empresa do ramo: é o desaparecimento de algo que alcança nossas emoções e que nos permite resgatar, reviver e usufruir do que fomos ou vivemos outrora.
Há os que defendem a ideia de que não se deve viver do passado. Concordo. Não vivo do passado: revivo o passado vez ou outra, com imensurável prazer. E os perfumes, assim como as canções, são centelhas capazes de atear fogo alto à memória (Inevitavelmente alguns perfumes descontinuados rescenderam por aqui enquanto escrevia essas coisas. Quase posso senti-los...). E dentre as marcas nacionais que mais desrespeitam o consumidor (nesse quesito) é O Boticário. Há inúmeros itens descontinuados, os quais já listei em outros posts. Dentre eles, dois são meu maior pesar: O masculino Yang e o feminino Exubérance.
Yang, um fougère agreste, verde e amadeirado, com notas almiscaradas de base, capaz de trazer à tona uma profusão de imagens viris e naturais. Exubérance, um chipre grandioso, inspirado na tuberosa e no mel, capaz de revelar feminilidade madura e sofisticada.
Nada substituiu, até hoje, a colônia Yang. Nada que se pareça com essa fragrância. No caso de Exubérance, perfumes importados como Animale, Parfum de Peau, Ysatis nos ajudam a matar a saudade (pelo menos em parte), com suas notas aproximadas em algum momento da evolução.
De fato, a semelhança de muitos perfumes nacionais com os importados é algo a nosso favor. Foi o que ocorreu com outro descontinuado da marca: Spirit of Flowers. Fiquei desamparado até conhecer Cabotine que, ao meu sentir, é idêntico àquele.
Entre os importados, lamento não ter estocado também dois perfumes: Nu, de YSL, e Insensé (amarelo), de Givenchy. O primeiro feminino, opulento, exótico e misterioso; o outro masculino fougère, aromático, incensado e também insubstituível.
Engraçado o efeito do "não poder ter": acabei de concluir que todos os perfumes citados estão entre as melhores fragrâncias que conheci. A escritora Adriana Falcão diz, em outras palavras, que recordação é o passado que volta um pouco mais enfeitado. Talvez essa seja a explicação: será que se eu tivesse todos esses perfumes hoje, ao meu dispor, eu os teria com tamanho gosto e admiração?
Resposta: com certeza (risos)!
Beijo!

_________________________

Participam desta mesa-redonda os maravilhosos blogs abaixo:

Diana Alcântara em: a louca dos perfumes
Elisabeth Casagrande em: perfume bighouse
Helen Fernanda em: Helen Fernanda
Juliana Toledo em: le monde est beau
Priscila Lini em: parfumeé
Lily em: parfums et poésie
Cassino em: perfumart
Carla Bicaglia em: pimenta vanilla
Cris Nobre em: templo dos perfumes
Vanessíssima em: van mulherzinha

Agradecendo aos maravilhosos amigos que fazem parte desse grupo, por tanta informação preciosa, tanto companheirismo e carinho.
Adoro vocês!
Cris













 
 

31 comentários :

  1. Amor e ódio andam juntos na perfumaria. Não devia ser assim. Devia ser só amor.
    No mais, adorei seu post, Cris!

    ResponderExcluir
  2. Partilho de tua linha de raciocínio, Cris... vez por outra lamento profundamente essa falta de ética nas tais decisões organizacionais. Perfume é irmão da respiração, diria Suskind e acrescento: portal às reminiscências.
    Chegaste a conhecer o Nu revisitado?
    Belíssimas palavras. bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, minha linda!
      Não conheci não... só o Eau de Parfum e o Toillete daquela época.
      Você tem (rsrsrs)? Como era? Mudou o quê?
      Soube do Nu em embalagem diferente, numa coleção YSL. Era esse? O aroma era o mesmo?

      Excluir
    2. Cris, entrando no papo, eu comprei o NU reformulado, mas já vendi, rs. Vale a pena tê-lo, viu? Ele parece muito com o antigo, apenas fixa menos e está mais aguado. Só que só percebemos isso quando comparamos um em cada pulso, ou seja, com bastante chatice ahahha. O Nu antigo é mais forte e mais apimentado, não sei, deve ser coisa de matéria-prima, aquela coisa que a gente sente a qualidade e o refinamento mas que a versão nova vai te consolar, acho que vai. Tente. Bjus

      Excluir
  3. Exuberance fez escola, Cris! Quanto ao apego ao passado, seria bom se pelo menos a qualidade fosse mantida, nada errado em renovar, mas poderiam manter o bom nível que se via até 2001, 2002... o que acha? Post lindo como sempre! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há uma história de seguir "tendências" que tem uniformizado os perfumes de O Boticário... Falta aquela pegada, dos anos 80.
      Concordo com você, Pri!

      Excluir
  4. amei a citação a alguns nacionais! até hoje me coço de vontade de sentir esse exuberance...tantos são os relatos incriveis! como diz Poe "Never more, Never more"
    ps: aguardando uma mini do insensé, ansiosa! bjs querido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exubérance é insubstituível, Cris!
      Sabe que, quando saiu de linha, eu tinha dois frascos novos. Minha prima adorou e me pediu um deles. Como eu sou um bobão, acabei cedendo ao pedido carinhoso dela. Foi minha decepção: fiquei sabendo, dias depois, que ela deixou o frasco cair e perdeu todo o perfume...
      Meu Deus!!!! Que crime!!!

      Excluir
    2. Li, se fosse o frasco com tampa de pedra-sabão, ela levaria um tiro. kkkkk

      Excluir
  5. Falou tudo, Cris!! Adorei seu post!
    abraços
    Raquel

    ResponderExcluir
  6. você me fez recordar da época de ouro de o Boticário... Exuberance, Yang, Cecita, Annete... ai, ai...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Incrível é que só a empresa não vê isso!
      Beijo, Ju!

      Excluir
  7. Reviver o passado é viver nossos dias, pois tivemos o passado feliz, diferente dos dias atuais que não vivem com pés descalços, correndo e brincando na chuva, das flores que cresciam por todos os lados, dos cheiros bons que não sentimos mais.....

    Triste perder amados perfumes que nos levam a doces lembranças e muitas vezes a pessoas queridas que não temos mais.....que mal à nisso! E diga-se de passagem....os perfumes antigos são 1.000 vezes melhor do que os atuais....pois criavam com amor, com o coração, com histórias e não o que vemos hoje.....mais do mesmo e muitos açucarados demais.
    Chegou a conseguir comprar aquele perfume que te falei Yang da Mahogany na Perfumes Summers?

    Beijo querido, sucesso para ti sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Malú!!! Que bom que voltou! Já estava com saudade!
      Concordo com você: os perfumes de antes surpreendiam mais... emocionavam... Principalmente os oitentistas (como diz a Li).
      Ah: consegui uma amostra do Yang que vc sugeriu. Deve chegar esta semana.
      Beijo!

      Excluir
  8. Já começou certeiro, com a segunda geração romântica e todo seu drama!! Perfeito para nós, não? Claro que sua lista teria que ter Yang e NU, sua cara!
    O Yang parece com o Gengis Khan, Marc de La Morandiere, Cris. Mas parecer não basta né? rs. Sei como é...
    Cris, esse Incensé da sua foto é uma body lotion, não?
    Bjus, lista lindíssima!
    Li

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li, não consegui encontrar uma semelhança que fosse saliente a ponto, entende?! Talvez porque usei muito e conheci todos os segredinhos desse perfumezinho danado...
      A foto foi trocada... errei...kkkkkkkk ...
      Li, junto aos itens que estou enviando a vc, mando também uma resina que colhi de uma árvorte (nas matas daqui), muito usada pelos índios, e que, em contato com a brasa, exala um incenso de outro mundo...
      Beijos!

      Excluir
    2. Sei como é, Cris! Um perfume pode nos remeter a outro se o usamos separados. Eu, louca que sou pra descobrir as inspirações usadas pelo Boticário nos anos 80 e 90, por uma questão de serviço público, rs, porque se eles tiram do mercado uma fragrância, podemos ao menos tentar usar o aroma-mãe...quando conheci o Yang não reconheci outro, mas até aí tudo bem porque conheço poucos perfumes masculinos. No entanto, eu senti como se estivesse com o Gengis Khan, que é im nicho, e no meu caso, o meu é vintage, ou seja, conversando com o próprio Marc ele me falou que o motivo da saída desse perfume do mercado ( que já retornou) foi a falta das matérias-primas mesmo, raríssimas hoje em dia e caríssimas, como o sândalo indiano.

      Cris, que presente mais lindo! Eu vou amar, certamente, amo incensos e esses presentes da natureza. O povo quando viaja me pergunta o que eu quero e minha resposta é sempre a mesma: um souvenir da natureza, mais propriamente, um pedrinha do local. Coleciono um pedacinho de chão de cada parte do mundo.
      Bjus!!

      Excluir
  9. Estou a caça de um YSL Nu... é tanto elogio, tanta maravilha!

    ResponderExcluir
  10. Lindo post! Quem não tem passado não tem futuro, precisamos de nossas lembranças para ser! E como é bom lembrar de gostos, cheiros, melodias! Trás inúmeros sentimentos, muitas vezes ruins, mas tão nossos... Me fez lembrar do Exuberance! Não lembro do cheiro, mas lembro que desejei ele muito tempo, e nunca o tive! Beijos, Cris!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Diana! São nossos... determinam quem somos, né?!

      Excluir
  11. Sem falar no Athena, no Ravel e no precioso Tuareg... Dos importados sinto falta de Ambro de Jacomo, Insensé, Fleur d'eau, Polo Sport Woman e tantos outros. E acho também que o Acqua Fresca do Boticário antigamente não tinha esta nota tão acentuada de pinho...
    ...Sol.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o pinho...sol (kkkkk)... Vc é uma figura!

      Excluir
  12. Oi,
    Já sabem que O Boticário vai relançar o Innamorata e o Crazy nesse Natal?? Pois é, a partir do dia 03 de novembro nas lojas...
    Massa, né? Tô contando os dias!!!

    ResponderExcluir
  13. Neste natal, O Boticário vai relançar o Innamorata e o Crazy!!!
    Segundo a vendedora, o kit estará disponível nas lojas a partir de 03 de novembro>

    Pensa na ansiedade da pessoa!!!

    ;-)

    ResponderExcluir
  14. Cris,

    Segunda-feira, dia 03 de novembro, vou pegar minha caixinha com o Innamorata e o Crazy na Boticário, aqui perto de casa, já reservada para mim......e eu ansiosa para ver o cheirinho deles, nada lembro deles!

    Beijo querido.....onde andas, saudades de ler novos posts, rsrs.

    ResponderExcluir
  15. Muitas saudades!!! Eu usei Zíngara, Inamoratta, vert, Kalanit, um outro do frasco igual ao Kalanit, só que rosa, esqueci o nome... Mas, o que sinto mais falta é o Femme.com, que virou meu cheiro e foi descontinuado ano passado... O Boticário não nos respeita mesmo!!!

    ResponderExcluir

Participe deste blog. Vamos trocar experiências olfativas!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...