sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Amor Amor

Lançado em 2004, Amor Amor é um perfume intensamente feminino. Da família dos orientais com base ricamente composta de baunilha, musk e âmbar, torna-se bastante doce. 

A fragrância foi inspirada na rosa vermelha e, por isso, promete mais paixão do que romance, mas seus acordes frutais de cassis e damasco determinam a direção do aroma: nuances de frutas vermelhas envoltas por flores, com base cremosa de baunilha e musk. 
Amor Amor é mais um dos perfumes modernos que têm inundado as ruas com seu cheiro de groselha e amoras açucaradas, típico das adolescentes emancipadas, assim como Euphoria, de Calvin Klein (este, mais interessante, contendo notas densas de flores exóticas).
Tornou-se um Hit dos tempos atuais e, confesso, não me agrada. 
Entretanto não posso reprová-lo, já que o desagrado passa pelo meu julgamento pessoal e não por minha avaliação do que seria um perfume bem arquitetado.
O frasco é belíssimo e antecipa o que há dentro dele. De fato, trata-se de um perfume com cheiro vermelho (rsrsrs).

Dreams

Já está virando tradição: no fim do ano, corro para as lojas de O Boticário para comprar o meu.
A colônia Dreams foi descontinuada há um bom tempo (des anos mais ou menos). Na verdade, foi a última da linha "Living Flowers" e dar adeus, depois de Kalanit, Athena, Ravel, Affinity e Exubérance. Eram vendidos em frascos ovalados, conforme a imagem.
Por generosidade, eu acho (rsrsrs), a empresa mantém a edição de Dreams nos finais de ano, em estojos contendo cremes, às vezes sabonetes e bolsinhas femininas. A apresentação também mudou: agora é vendido nas famosas ânforas que consagraram O Boticário.
Dreams é uma fragrância da família floral com acordes frutais e levemente especiados. Muito se assemelha ao mundialmente conhecido Eternity, de Calvin Klein. Entretanto Dreams é mais suave e o arranjo floral parece-me mais fresco. Contém rosas, lírios, íris e violetas. A base contém madeiras e almíscar. 
De todas as flores presentes, talvez as violetas  sejam as mais notadas, compondo um arranjo floral característico dos anos 80, como Paris, de YSL, e o já citado Eternity. 
Infelizmente só Dreams ainda resiste. E só por ele e por outros pouquíssimos clássicos ainda entro nas lojas de O Boticário.
Vale a pena manter essa preciosidade.

Biografia Vol 2

A fragrância em questão merece nossa atenção. 
Com saída cítrica/floral, cria imediatamente uma sensação floral fria, lembrando flores brancas que crescem próximas às águas (algo como lírios e açucenas). 
Contém bergamota na saída e um corpo de rosas, jasmim e muguet.
Ao fundo, o sândalo, o musk e o âmbar criam um delicado conforto.
A colônia é ótima para épocas mais quentes e tem o poder de prolongar a sensação de bem-estar após o banho. Tem algo que nos remete a Eau de Moiselle, de Givenchy.
Estranhamente, não encontrei o perfume no catálogo de Natura disponível no site.
Espero, sinceramente, que não descontinuem sua produção.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Burberry


Criado em 1995, Burberry Women é uma ótima opção para quem aprecia aromas frutais confortáveis. Abre-se com um mix de frutas em que se sobressai o pêssego. O coração é floral e amadeirado, unindo jasmim e sândalo, de maneira delicada. A base é ambarada e muito discreta, contendo cedro e baunilha.

Burberry é, sem dúvida, um excelente perfume e, apesar de frutal, não é açucarado. É leve, alegre e naturalmente agradável.
A direção olfativa de Burberry Women lembra-nos vagamente as primeiras notas de Dolce & Gabbana Light Blue.
É considerada a principal fragrância da marca.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Brisas de Eudora

Já perceberam que virei fã da marca, né?

Pois é: recentemente fui presenteado com toda a coleção de "águas" de Eudora. São fragrâncias leves, para serem usadas em abundância, principalmente durante o dia ou após o último banho.
Adorei!
Posso afirmar, seguramente, que são produtos de qualidade e bem diferentes das linhas "splash" de O Boticário. 
No total, são seis fragrâncias diferentes: Desejo de Lavanda (no meu ver, a mais comum, porém muito acolhedora), Malícia de Laranjeira (lembrando muito o frescor refinado de Ô de Lancôme), Sedução do Musk (de fundo cálido e persistente), Pecado da Maçã (floral/frutal que me trouxe algumas notas de Dolce & Gabbana Light Blue), Provocação do Gengibre (com um arranjo fresco/picante, lembrando os clássicos de Roger & Gallet) e Delírios de Rosas (um floral romântico e profundo).
As fragrâncias dessa linha são compartilháveis e, apesar de leves, têm boa fixação e provocam reações... Podem acreditar!

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Burberry Brit

Trata-se de mais um dos perfumes de Burberry que misturam a tradição da marca, de traços facilmente identificáveis, com o tempero da modernidade.

A fragrância tem saída agradável e exultante: fresca, frutal e levemente gourmand, em que se desdobram notas de limão, pera e amêndoas. Aos poucos, porém, o limão torna-se mais nítido e consegue equilibrar o dulçor cremoso que forma o drydown: baunilha, fava-tonka e âmbar.
O coração do perfume é uni flore: peônias.
Burberry Brit é frutal e guloso, mas bem equilibrado pelas notas mais frescas. Após algum tempo, o aroma torna-se mais cálido e amadeirado (mogno), sempre mantendo o tom cítrico das notas iniciais.
É um perfume feminino que, ao meu ver, pode ser facilmente compartilhável. Não é apelativo e, por isso, dificilmente cansativo.
Aproveito para dar uma dica: falamos aqui da versão feminina, que tem o frasco muito parecido com o da masculina. Portanto, é legal atentar para as ricas de cor marrom, presentes só na versão pour femme.

Lantana

Essa florzinha simpática, muito comum em terrenos baldios, em forma silvestre, ou em canteiros de cidades, já selecionadas e mais sortidas, é também componente na perfumaria. Para ser mais exato, suas folhas, que têm um odor bastante forte: verde, amargo e rústico.
A planta é nativa da Índia e se adapta muito bem a climas quentes e úmidos, de solo arenoso.
Apresenta-se em mais de 530 espécies, de cores variadas: vermelhas, brancas, amarelas, etc.
Na perfumaria ainda é pouco utilizada, mas já está presente em, pelo
menos, uma dezena de criações.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

O verão das flores

Aqui nestas terras do litoral baiano, o verão é um espetáculo! Além do sol adorado e do mar de azul-esverdeado profundo, as flores enfeitam as cidades, as estradas... 
Algumas árvores que florescem no verão já nos dão sinais da estação preferida dos brasileiros. Começo a perceber o colorido que, aos poucos, vai ornamentando as redondezas: após a florada dos ipês, pouco antes, surgem acácias amarelas, acácias negras, flamboyants, que dão um verdadeiro "show" de beleza e de alegria. Tudo fica mais bonito e, nesta época, fico ainda mais orgulhoso por viver em terras tão férteis e de beleza tão ímpar (sem ufanismo).
Incrivelmente, são flores pouco ou nada fragrantes, mas a imagem é suficiente para inundar nossas impressões de perfume, música e poesia.
É verão, minha gente!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Dimitri On The Rocks


Mais uma fragrância que me frustra.
A ideia seria um perfume que nos remetesse à "balada". Cheiro de noite, de "drinks", de gente bonita e animada.
O que surgiu foi a reedição de muitas reedições de O Boticário: perfumes masculinos de saída fougère ou aromática, acrescidos de notas orientais e amadeiradas mais quentes, formando um bland. Dimitri On The Rocks inspirou-se na vodka, mas não surpreendeu. 
Continuamos com as mesmas notas picantes mergulhadas em lavanda ou chá de sálvia ou manjericão com fundo amadeirado... (só uma comparação).
Continuamos a nos frustrar quando o assunto é algo realmente inovador e único.
Temos aí um perfumista que só conhece uma direção olfativa.
Será que é modismo ou falta de ousadia?

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Chanel N. 5

Além do perfume, que todos já o sabem como o mais famoso e desejado do mundo, o frasco de Chanel N. 5 também tornou-se um ícone. Representa a marca e é de reconhecimento imediato para qualquer pessoa que tenha ouvido falar de Chanel N. 5 ou de sua idealizadora, Coco Chanel.
Seguindo fielmente os ideais de Madame Chanel, que trazia para as suas peças a sofisiticação inspirada na sobriedade, o frasco é básico, de linhas retas, contendo apenas uma etiqueta branca com o nome do perfume (isso nas versões mais conhecidas: parfum e eau de parfum). A opulência se dá no conjunto da obra: com uma tampa belíssima, oitavada, ressalta a simplicidade do frasco e atribui-lhe luxo e equilíbrio.
A versão eau de toilette é menos "rústica", porém se utiliza da cor preta e das linhas retas para manter a ideia original. A ousadia fica por conta da combinação preto e dourado, além de uma versão bastante interessante que simula um batom, revelando o vaporizador quando girada sua base.
Chanel N. 5 é sinônimo de Paris, de mulher, de independência, de sobriedade e de requinte.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Azzaro Chrome


Essa fragrância é de tema bastante conhecido e também facilmente compartilhável. Para uso cotidiano, é leve e aromática, contendo notas frutais frescas de limão, abacaxi e bergamota envoltas num arranjo esportivo de alecrim.
O coração é discretamente floral, reforçado por outro ingrediente aromático: o coentro.
Ao fundo notam-se as madeiras, cedro e sândalo, atenuadas pelo toque doce e sensual da fava-tonka e do musk, além da umidade spicy do musgo de carvalho e do gengibre.
Inicialmente, Azzaro Chrome chega a lembrar o clássico CK One, mas, à medida que evolui, deixa transparecer um aromático-amadeirado picante, muito sutil, e de requintado prazer.

Eudora


Uma fragrância que ocupa a linha de luxo da marca, de inspirada beleza! Trata-se de um Eau de Parfum da família chypre floral, com fundo amadeirado e doce, aquecido pelas notas de âmbar e de baunilha.
Eudora é o carro-chefe da nova grife e promete agradar. Contrasta notas florais frescas e canforadas com o calor das madeiras e a umidade empoada do âmbar. Eudora é de tema moderno e contém características de duas grandes obras da perfumaria: O chypre frutal de Coco Mademoiselle, de Chanel, arranjado pelas notas opulentas e flambadas de The One, de Dolce & Gabbana.
É uma fragrância que exala modernidade, sensualidade e glamour. Além disso, tem boa durabilidade na pele.
Um excelente perfume!

domingo, 18 de novembro de 2012

"Não" chupe essa manga! Pode ser alergênica!


Fabricantes de perfumes estão pedindo à Comissão Europeia que reconsidere um projeto que, segundo as empresas, pode inviabilizar a produção de fragrâncias famosas por restringir o uso de ingredientes naturais associados a alergias. Marcas de luxo temem que a União Europeia as obrigue a alterar fórmulas célebres, como a do Chanel Nº 5, criada em 1921. Estima-se que o mercado de fragrâncias sofisticadas movimente US$ 24,3 bilhões.
O projeto da Comissão Europeia também obrigaria à reformulação de perfumes como Miss Dior e muitas fragrâncias da Guerlain. A proposta se baseia em recomendações feitas em julho pelo Comitê Científico de Segurança do Consumidor, um órgão consultivo. Os laboratórios dizem que as grandes marcas nunca mais teriam o mesmo aroma e que os perfumistas passariam a ter muito menos ingredientes à sua disposição para criar novos produtos.
"Seria o fim de lindos perfumes se não pudermos usar esses ingredientes", disse, por telefone, a presidente não-executiva da Chanel, Françoise Montenay. O comitê científico estima que 1% a 3% dos habitantes da Europa sejam alérgicos ou potencialmente alérgicos a ingredientes encontrados nos perfumes, cifra que o grupo considera suficiente para justificar as preocupações.
"Todos os cidadãos têm direito às mesmas proteções", afirmou o presidente do grupo de trabalho do comitê, Ian White, do Instituto St. John's de Dermatologia, de Londres. Os cientistas recomendaram que seja reduzida a concentração de 12 substâncias, incluindo o citral, encontrado nos óleos de limão e tangerina; a cumarina, achada na semente de cumaru; e o eugenol, presente no óleo de rosas. A concentração no produto final não poderia ultrapassar 0,01%.
Além disso, a comissão propôs a proibição total de dois tipos de líquens que fornecem as notas de madeira em perfumes como o Chanel No 5 e o Miss Dior. Segundo o presidente da Associação Internacional de Fragrâncias, Pierre Sivac, esses ingredientes são "a espinha dorsal de cerca de 90% das fragrâncias finas". A diretoria-geral de saúde e consumo da Comissão Europeia disse que está discutindo com as partes envolvidas, inclusive os fabricantes de perfumes, para avaliar as recomendações do comitê científico e seu potencial impacto sobre o setor.








Club 6


A colônia masculina Club 6 chamou a minha atenção devido a seu apelo de sobriedade. As notas cítricas e alavandadas chocam-se com os densos acordes de madeiras, tornando-o incensado, resinoso e viril. Lembra-me vagamente o já descontinuado Triumph, de O Boticário.
Há um quê de amargor e fumaça que tornam esse perfume muito sofisticado.
Contém notas de menta, sândalo, patchouli, carvalho e âmbar.
É um aroma clássico, executivo e maduro.
Ao contrário do que possa parecer, nada tem a ver com Polo, de Ralph Lauren, a não ser pelo aroma fortemente masculino e executivo.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

S. Privée

Temos aqui um Eau de Parfum de primeira grandeza. Ousado e muito provocante, é um perfume ricamente floral, com traços orientais densos e base quente e doce de patchouli e baunilha. Tem efeito camurçado e, o melhor, diferente de qualquer outro perfume que eu já tenha sentido. S. Privée promete fortes emoções. Tem apelo sensualíssimo e um frasco mais do que insinuante, de cor roxa, lembrando o clássico Absinto, da Água de Cheiro.
Vendido em embalagem de 30ml.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Eudora: inovação ou repetição?

Tive a chance, recentemente, de conhecer os perfumes da marca Eudora, estratégia de O Boticário para concorrer com outras marcas de cosméticos, como Natura e Avon, que vendem seus produtos "informalmente" com revistas e consultoras. Ao lado de Heriks Barcellos, dotado de um olfato aguçadíssimo, começamos a aventura. Um a um, fomos conhecendo todos os produtos do catálogo.
Confesso que me impressionei com a qualidade das fragrâncias, mas não pela novidade (com exceção de S. Privé). São perfumes "inspirados" em outros importados e consagrados. Talvez por isso tantas fragrâncias de O Boticário, inspiradas em perfumes importados, têm sido descontinuadas (Crazy, North Wind, Annete etc). Acabarão desembocando no catálogo de Eudora (ou outros perfumes que estejam mais em alta no momento).
Pra começar, encontrei similares de Farenheit (Urban Lovers for Him), Angel (S), Jazz + Biografia (Carbon), Diesel O Plus (S. Excés), Coco Mademoiselle (Eudora), Ange ou Démon (Violette) e até uma criação que me lembra Aqua de Gio pour Homme e, vejam só, Essencial de Natura, simultaneamente (Trip).  A marca se apoia na ideia de sedução e algumas publicidades me lembram a época áurea de Absinto, da Água de Cheiro.
Tive, entretanto, uma boa surpresa: o masculino Club 6: tem  uma base amadeirada com incenso, carregada de sobriedade e sofisticação, e tem poucos precedentes.
Os preços são razoáveis e a fixação é boa. As embalagens de muito bom gosto.
Torço, sinceramente, para que eles resolvam relançar Yang, Exuberance, Eros e tantos outros perfumes eternos dos quais sentimos tantas saudades!


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Natura Una

Confesso que me senti enganado. A publicidade de Natura Una me trouxe a impressão de que teríamos um perfume marcante, ousado e carregado de expressões únicas. Na verdade, de único não tem nada. Trata-se de um cheiro floral/frutal com base bastante adocicada, lembrando baunilha ou fava-tonka e âmbar. Não houve inovação. Pra começar o cheiro é adolescente e bastante comum. Há inúmeras fragrâncias inspiradas nesse tema, em que sobressaem as notas frutas, meio gulosas, com base doce e resinosa.
É um bom cheiro, mas reincidente.
A embalagem é sofisticada, de material pesado e pomposo o que contrasta com a pobreza do perfume.
A Natura já me surpreendeu muitas vezes. Acho Essencial Masculino uma obra-prima. Mas desta vez fiquei mesmo decepcionado.

domingo, 11 de novembro de 2012

O melhor perfume... por Heriks Barcellos

Triumph, de O Boticário.
Amadeirado Fougère
?

O melhor perfume... por Cris Bazoni

Insensé, de Givenchy
Fougère Aromático
1993
                                                                

O melhor perfume de todos os tempos


Sei que é maldade fazer isso!!! Quantos perfumes nos encantam, né? Eu mesmo terei dificuldade de escolher algum. 

Mas também tenho curiosidade. Muitos dos leitores do blog não seguem tendências e nem o que a publicidade diz. Temos aqui gente muito sensível e de muito bom gosto.
Quero realizar aqui a enquete: qual perfume você considera o melhor que já testou? Deixem os recados aqui. Vamos participar. 
Para isso, sigamos as etapas:
1ª- Nome do Perfume e Marca
2ª - Como o conheceu.
3ª - Uma justificativa: por que você o considera o melhor perfume de todos os tempos.

À medida que postarem, exibirei a imagem do perfume e o nome do participante. Por isso, não deixem de informar um nome, mesmo que seja fictício.

Vou começar então... rsrsrsrs

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Manacá do Sul

Diferentemente do Manacá da Serra ou Manacá Mineiro, essa espécie é bastante odorosa. Símbolo de Curitiba, suas flores são azuis arroxeadas e clareiam gradativamente até que se tornem brancas. O arbusto fica belíssimo quando florido, sem contar com o odor maravilhoso que se espalha no ar. 
O perfume é doce, mas não enjoativo, como ocorre com a dama-da-noite, por exemplo. Trata-se de algo entre o jasmim e a orquídea, que entorpece pelo prazer e não pelo sufocamento.
Em tardes chuvosas, lembro-me perfeitamente do momento do estio, em que essas poderosas florezinhas exalavam seu feitiço nas redondezas da casa onde eu morava.
Hoje tenho duas mudas e uma delas, com 30cm de altura, floresceu lindamente há alguns dias. Confesso que ajoelhei-me no chão e curvei-me sobre essa dádiva a fim de capturar seu perfume.

Burberry Body Eau de Parfum

Considero Burberry uma das grifes que mais mantém em seus perfumes um traço típico da casa, capturando o tema da marca, sem que as fragrâncias sejam exatamente semelhantes ou pouco criativas. 
No caso de Burberry Body, temos um eau de parfum floral moderno, com insinuações chypre. Há contrastes entre o frescor das flores e o calor das madeiras e de notas animais, como âmbar e musk. As rosas e os tons frutais são nitidamente percebidos na saída e tornam-se profundos e contundentes por instantes, acompanhados do oriental verde do absinto, o que me lembrou, inicialmente, cravo-da-índia. 
A fragrância é bastante alcoólica no início, mas não se engane: tem boa fixação e intensidade. 
A baunilha fica no fundo, quase imperceptível.
A fragrância contém íris, madeira de caxemira e sândalo.
A publicidade do perfume fica por conta de Rosie Huntington Whitely, estrela do filme Transformers 3 e garota-propaganda da Victoria's Secret.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Chloé Eau de Parfun

Temos aqui uma daquelas fragrâncias que soam moderníssimas, mas que mantêm alguns traços clássicos e maravilhosamente sofisticados. 
De saída floral/frutal, é como um mergulho certeiro em uma profusão de flores magníficas adornadas pelo frescor da lichia. Ao mesmo tempo, a combinação nos traz um clima tropical, lembrando frutas suculentas, como a manga, por exemplo. Mas é só uma ligeira impressão. Aos poucos, as notas de rosas ficam explícitas, acompanhadas de peônia, magnólias e lírio-do-vale. 
A fragrância então torna-se feminina e muito sensual.
Mas o que me tentou profundamente foi o contraste entre a delicadeza e a força da fragrância. As notas florais frescas e intensas somam-se à base ricamente ambarada e quente, criando um efeito quase chypre, o que traduz tradicionalismo e ousadia ao mesmo tempo. 
Chloé me faz lembrar Diesel Fluel for Life, de Diesel, e Coco Mademoiselle, de Chanel. 
Um aroma digno de ser reverenciado por pessoas que curtem perfumes feitos com sabedoria e arte, indicados a quem reconhece na tradição o bom gosto, a suntuosidade, e na modernidade, o glamour e muitas possibilidades.
Para meu amigo Yvan!

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Capim Gordura

Quem vive ou viveu no interior, principalmente em regiões serranas, certamente conhece esse cheiro. O capim-gordura é conhecido pela grande qualidade nutricional para o gado e também por infestar áreas de cultivo ou de reflorestamento, sufocando e aniquilando plantas menores. Seu nome tem a ver com a textura das folhas, por serem aveludadas e pegajosas.
O cheiro desse capim é algo nostálgico. No meu caso, tem cheiro de infância, da época em que eu e minha família íamos a uma propriedade que tínhamos na região serrana do ES. Lembro-me que , pela manhã, ainda muito frio, via o vapor d'água se desprender dos charcos e regatos, ao receber os primeiros raios de sol. O capim cheirava divinamente e enchia meu coração de alegria. Cheiro verde, agreste e muito inspirador. O escritor Rubem Alves também é marcado por esse cheiro e o descreve em um de seus textos.
Descobri recentemente, em um terreno baldio perto de minha casa, algumas touceiras dessa planta. Agora passo sempre bem devagar para poder recordar alguns bons momentos que vivi.
Seu aroma traz notas que fariam grande sucesso em fragrâncias masculinas da família fougère, acompanhadas de lavanda e madeiras, lembrando mato, grama e rusticidade. 

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Melão


Essa deliciosa fruta tropical é uma estrela da perfumaria. Está presente em criações respeitáveis, de tema floral fresco e primaveril, ou em composições mais densas, entre as notas iniciais de fragrâncias florais/orientais e gourmand. Seu aroma é capaz de conferir densidade e glamour até a uma composição floral menos pretensiosa. 

O melão empresta ao perfume suas notas frutais aquosas, o que garante frescor e luminosidade à obra. Também compõem esses acordes otimistas o abacaxi, a melancia, a lichia e o pêssego, mas o melão, ao lado da melancia, são os campeões quando o tema do perfume se relaciona à água ou à brisa. 
Há também ingredientes sintéticos que compõem os acordes conhecidos como "ozônicos", ou seja, aquele cheiro de brisa marinha ou de terra molhada.
Entre os perfumes contendo o melão, podemos destacar J'adore, de Dior, e Escape, de Calvin Klein, entre outros. Nos dois casos citados, é marcante a presença dessa fruta fresca, doce e suculenta.

J'adore L'eau Cologne Florale

A fragrância de Dior inspirada no estrondoso J'adore (lançado há mais de dez anos) é um convite a um passeio num campo de flores em manhã iluminada de céu limpo, claro, mais que azul.
O perfume tem estrutura simples, sem a famosa pirâmide evolutiva. São notas frescas de frutas cítricas abrindo caminho para a opulenta magnólia - tema do perfume - somada a notas florais de ylang-ylang e flor de laranjeira. Temos a impressão de usarmos um tradicional "uniflore", fragrâncias inspiradas numa única flor, anteriores ao mítico Chanel Nº 5. É leve, fina, sofisticada e de fixação relativamente boa. 
J'adore L'eau não ignora seu precursor: mantém a suntuosidade das notas florais mais que nobres, envolvidas pelo frescor, num buquê harmonioso, muito rico e de extremo bom gosto.
A diferença talvez esteja na omissão dos acordes frutais, lembrando melão ou pera, tão marcantes na versão tradicional de 1999.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Glow

Curioso eu não ter postado nada ainda sobre essa fragrância inebriante.

Quando a conheci, tive uma experiência sensorial quase surrealista: voltei a minha infância, quando sentia um aroma delicado e fresco de rosas em um desodorante de frasco pequeno e "bojudinho", de alguma marca nacional, dessas que vendem seus produtos em revistas. Não consigo me lembrar do nome, mas tem algo a ver com "rosa", claro. Além disso, tive a impressão de estar num jardim, em plena primavera, cercado das mais belas e perfumadas flores. Rosas, de novo!

Glow é uma fragrância floral e fresca, porém bem marcante. Uma inocência deliciosa que atrai fatalmente a atenção. Notas de flor de laranjeira, rosas e jasmim, além da preciosa tuberosa, formando um arranjo floral belíssimo. Além disso, a base contém raiz de íris, baunilha, sândalo, âmbar e musk; tudo muito sutil, a fim de pôr em evidência as flores que desabrocham com todo o esplendor.
O perfume foi criado em 2002 (primeiro da marca) e ainda é insuperável se compararmos a outras fragrâncias de Jennifer Lopez.
O nome "glow" traduz bastante a personalidade do perfume. É realmente luminoso, claro e limpo, lembrando um banho de flores no início da manhã.

Polo Sport

Eis mais um sucesso de vendas no mundo todo, principalmente logo após seu lançamento. Polo Sport é de 1994 e, com muito requinte, surge como uma opção mais leve, mais fresca e esportiva. Pertence à família dos aromáticos, somando a consagrada lavanda à notas frescas e marcantes de artemísia, menta, gengibre. O corpo conta com o gerânio, comum em perfumes da família "fougère", e com outras notas florais.
A base do perfume, ao meu ver, é o seu maior charme: notas de sândalo e cedro acompanhadas de âmbar e almíscar, conferindo ao perfume certa personalidade e sofisticação. As notas de cabeça, cítricas e aromáticas, somadas às madeiras e ao almíscar são a alma desse perfume. Polo Sport ainda conta com notas de aldeídos, o que dá um toque clássico e arrojado à fragrância.
Prático, cotidiano, mas não comum. Não para qualquer homem.
Uma boa opção para o verão que já está chegando por aí.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Chanel 19 Poudré

Chanel 19 Poudré surge como uma luxuosa opção para quem gosta de fragrâncias ambaradas ou almiscaradas, porém sem os acompanhamentos frutais intensos que tornam os perfumes mais doces e gulosos. De imediato, o perfume mantém as tradicionais notas do clássico 19. São ondas florais de neróli e gálbanum com uma espessa camada enevoada de vetiver e musgo de carvalho. Aos poucos, porém, a nova versão de Chanel 19 impressiona pelo efeito ambarado profundo que, depois, torna-se seco e empoado, meio húmido. Notas discretas, mas persistentes, de almíscares nobres e madeiras, trabalhadas para sustentar a interessante composição floral inspirada na íris. Um misto de tradicionalismo e ousadia.
Um perfume camurçado, para se sentir de perto, acompanhando o calor do corpo e o cheiro natural da pele.
Uma obra digna de Chanel.
A fragrância foi lançada em 2011 e o nariz responsável por esse belo perfume é Jacques Polge.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Ozone Feminino

Pena que essa fragrância não esteja mais à venda. Foi descontinuada há um tempo, mas causa muitas saudades. Ozone já recebeu prêmio em 95 como a melhor criação "perfumística" e hoje já não existe mais.
Recentemente descobri um frasco lacrado no estoque de um vendedor ambulante de produtos originais da L'acqua. Nossa! Que delícia de perfume!
Ozone é um floral verde, com notas frescas de melão, bergamota e violetas. O coração é de flores brancas que, somadas ao efeito frutal/fresco e às notas ozônicas, criam um belo efeito virginal, limpo, como o amanhecer num campo de açucenas, ou cercado de lírios brancos, à beira d'água. 
Uma fragrância deliciosa e muito persistente. Profundamente feminina e crua, com odores muito naturais.
E vai aqui a minha sugestão:
Para os órfãos, tentem Eau de Moiselle, de Givenchy. Não é idêntico, mas parte do mesmo tema.

domingo, 16 de setembro de 2012

Sálvia

Trata-se de uma planta perene, em arbusto, usada como erva medicinal, condimento e também na perfumaria. Existem mais de 900 espécies de sálvia. Algumas espécies são usadas como agente psicoativo, principalmente em rituais xamânicos.
Na indústria dos perfumes, essa planta tem intensa participação em criações masculinas, principalmente. Ao lado do manjericão, do tomilho e da hortelã, alavanca as fragrâncias com seu alto potencial aromático.
Dentre as grandes obras contendo a sálvia, podemos citar Dior Homme, The Dreamer, 212 Man, Eternity Man, Kenzo pour Homme...
Interessante notar que entre as fragrâncias citadas há, realmente, algo em comum: o composto herbal que, combinado às notas de lavanda, por exemplo, confere ao perfume um ar esportivo, de frescor, leveza e juventude, sem deixar de lado o requinte e a virilidade.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Uma imagem, um perfume!

E aí, galera?! Vamos continuar? Desta vez, uma imagem bem ousada! Digam aí: Qual o perfume?

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Trouble


Este perfume deve ocupar a lista dos escolhidos com ousadas intenções. Saída fresca que se abre para a entrada triunfal do poderoso jasmim, amparado por generosas notas de âmbar e madeira. Trouble é um delicioso problema para quem o sente. Instigante e deliciosamente sensual. Além disso tem a expressão moderna e glamourosa dos perfumes orientais florais mais cobiçados: Ange ou Démon, Dior Addict, Midnight Poison... 
O frasco traduz a concepção da fragrância e mantém o estilo da grife, conhecida pelas joias mais que preciosas e divinamente desenhadas: consta na tampa uma serpente dourada com uma esmeralda cravada no olho.
A fragrância é de 2004, pelo poderoso Jacques Cavalier, meu nariz preferido, criador de perfumes eternos para YSL, Dior, Givenchy, Jean Paul Gautier, Nina Ricci, Lancôme, entre outros.

Au thé Vert


Temos aqui uma suave e estimulante colônia compartilhável de extremo bom gosto. Au thé Vert é uma fragrância cítrica aromática que estimula os sentidos e proporciona bem estar. Frescor das folhas verdes, de limão, de especiarias aromáticas e levemente picantes, como as sementes de coentro e o cardamomo e um leve toque floral de rosas búlgaras e jasmim. As notas de base são sutis e conferem um efeito tênue de madeiras, como o cedro e o sândalo.
Au thé Vert tem saída vigorosa e radiante, lembrando o eterno Ô de Lancôme. Aos poucos, à medida que o corpo da fragrância se revela, surge o delicado arranjo floral apoiado em cedro e sândalo, lembrando o também consagrado CK One, perdurando até expirar o aroma. 
Perfeito para homens e mulheres que optam por perfumes menos agressivos, discretos e práticos.
Ideal para depois do banho. Perfeito para manhãs claras e tardes ventiladas.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Tabu Flores

Muita gente passa longe de Tabu... É verdade! Mas creio que muitos gostarão da nova fragrância da marca Donna, chamada Tabu Flores.
Uma opção bem barata (10,00) para quem curte o floral Amarige ou o descontinuado Kalanit, de O Boticário.
Experimentem!!
Só tem um probleminha: a fixação não é das melhores. Mas vale pelo prazer das primeiras notas, nos instantes após o banho. Uma colônia luminosa e facilmente compartilhável.

domingo, 19 de agosto de 2012

Ma Griffe


Curioso notar como mudam as tendências. Quando senti Ma Griffe pela primeira vez,  fiquei incomodado com a aparente simplicidade desse perfume. Seria o que hoje muita gente classificaria como "cheiro de perfume barato"...  Também ouço dizerem isso de Chanel 5, por exemplo. O que acontece, como já falamos em outros posts, é que cada época tem seus encantos. Antes, até mesmo os conhecidos "soliflores", perfumes pensados com base em uma única nota floral, eram adorados por muitas mulheres da sociedade parisiense. Depois surge Chanel 5, com seus aldeídos mais que exuberantes. Para a época, foi uma revolução. Mais tarde, Opium de YSL, com suas notas orientais e provocantes. Era novo, diferente... Hoje, esses mesmos perfumes, se não forem muito bem entendidos, podem soar como criações antiquadas (já ouvi dizerem até que são perfumes de "velho"). 
Ma Griffe também se destaca nesse cenário. Criado em 1946, é uma fragrância chypre floral, de saída fresca e verde (sálvia, funcho, limão), com aldeídos e fundo animalic. As notas de gardência, íris, ylang-ylang, jasmim e rosas de Ma Griffe formam um "mix" agradável em que nada se destaca ou se anula. Rapidamente as notas de saída e coração se confundem com  a pele e o fundo musk, com canela, vetiver, madeiras e musgo de carvalho impera, deixa um calor bem dosado que envolve as discretas notas florais. A combinação sugere algo talcado, de efeito verde, com notas úmidas de base e vagas impressões de flores.
Muito discreto após alguns minutos, reveste o corpo e acaba se tornando parte dele. 
Apesar da pretensão de Ma Griffe e do forte apelo sensual das publicidades, é uma fragrância leve. Mais romântica que tentadora, talvez pelas novas orientações que temos acerca do que seria um perfume sedutor hoje.
Há uma curiosa história sobre o criador desse perfume: Jean Carles. Segundo contam, o nariz responsável por essa obra era anósmico, ou seja, não tinha olfato.
Lembrou-me o gênio da música Beethoven, que também era privado do que seria sua principal "ferramenta" de trabalho: a audição.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Joop! Homme

Um perfume muito conhecido e bastante tradicional entre os homens. Pouco convencional para a época em que foi lançado, hoje já figura entre os aromas de décadas passadas, que marcaram uma época e que, para alguns, já perdeu seu esplendor.
Entretanto a força desse perfume é notável. Um aroma oriental com base fougère, de coração floral bastante quente, com fundo doce e amadeirado. Joop é marcante. Suas notas frescas de saída, com tangerina, limão, bergamota e o frescor doce profundo das flores de laranjeira somam-se ao calor da canela, aos acordes balsâmicos e às flores de jasmim, lírio-do-vale e heliotrópio. Cria-se um contraste encorpado e pouco sutil, sugerindo ousadia e sensualidade. A base contém baunilha e patchouli, reforçando os contrastes e acrescentando um vigor agreste à fragrância.
Assim como Fahrenheit, de Dior, Joop! revela-se como uma fragrância instigante, recheada de acordes doces e florais, exalando ondas quentes de uma masculinidade excepcional, incomum e avessa a estereótipos.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

5th Avenue

Essa luxuosa fragrância foi criada em 1996, por Ann Gottilieb. Desde então, tem figurado entre as preferências de quem opta por perfumes modernos de contornos clássicos, tradicionais.

Trata-se de um floral sofisticado e não muito invasivo. Diria até discreto, adequando-se ao calor da pele com naturalidade e realçando a feminilidade com sutileza e de forma bem contemporânea.
5th Avenue é uma avenida movimentada e famosíssima de Manhattan, em meio aos arranha-céus, conhecida pelo luxo e glamour que evocam suas inúmeras lojas de grifes reconhecidas mundialmente. 
Para homenagear a avenida mais famosa do mundo, até a embalagem do perfume lembra-nos os inúmeros edifícios altíssimos da famosa avenida.
A fragrância não deixa a desejar se o assunto é modernidade, urbanismo, revelando pessoas com senso de praticidade e estilo. Mistura o luxo e a casualidade.
As notas florais são claras e se distribuem por toda a estrutura da fragrância: lilás, violetas, rosas, ylang-ylang, jasmim, tuberosa, lírio-do-vale e íris. Há também notas frutais de tangerina e bergamota na saída e de pêssego no coração da fragrância. Tudo muito bem arranjado e balanceado. 
O que marca são as delicadas notas florais de lilás (flores muito fragrantes e muito comuns na Europa) e rosas envolvidas pelas notas vagamente saborosas do pêssego e pelo leve frescor dos citrus. Ao fundo, também com sutileza, o âmbar, a baunilha, o sândalo e o musk, arrematando a composição e fazendo perdurar o efeito levemente cálido e sofisticado na pele. 

domingo, 29 de julho de 2012

Laguna

Com este perfume, inauguramos o marcador Salvador Dali. Talvez a escolha se deva ao fato de Laguna ser o mais representativo da marca. 

Salvador Dali é um conhecido pintor surrealista e assina a criação de alguns perfumes, inspirados em sua esposa, Gala, também amante dos perfumes, e o desenho dos frascos da linha. No caso de Laguna, o criador da fragrância é Mark Buxton, mas o frasco foi inspirado na obra de Dali "A Aparição da Face de Afrodite", que apresenta uma face com nariz e boca em destaque. Tais traços já se tornaram "marca registrada" e ocorrem em muitas fragrâncias da grife.
Mas vamos ao perfume: Laguna é um floral frutal leve, contendo grapefruit, damasco e pêssego abraçados pelo calor das notas de baunilha e da fava-tonka. Lembra-nos um arranjado luminoso de frutas e flores exóticas. Remete-nos ao glamour e à exaltação do champanhe, de algum drink adocicado, quente e tônico. O coração da fragrância conta com o jasmim, a rosa e o lírio do vale e, na base, somados à baunilha e à tonka, cedro e patchouli. Um floral frutal quente que, como dizem alguns descritores, lembram os ventos cálidos do mar. Perfeito para o clima tropical.


segunda-feira, 23 de julho de 2012

Volupté

A fragrância foi lançada em 1992. Pertence à família dos florais verdes. De saída densa floral/frutal, logo abre espaço para as notas do rico buquê floral e para a insinuação oriental do heliotropo, lembrando o dulçor da baunilha. Há também algo de violetas. As flores presentes nesse perfume são muitas: cravo, jasmim, ylang-ylang, lírio-do-vale, mimosa, lótus, narciso, frésia, osmanthus entre outras. Essa combinação torna-se tão rica, que chega a produzir um leve efeito áspero e sufocante (de amargor), assim como percebo em Tresór, de Lancôme, realçado pelo pachouli ao fundo. 
Também na base da fragrância se encontram notas de sândalo, âmbar, tuberosa, baunilha e incenso.
Diria que Volupté é ricamente floral, com insinuação oriental. As notas de melão e melancia na saída apenas torneiam os acordes florais que nos invadem com vigor. Entretanto não é um perfume floral qualquer: devido à luxuosa combinação de flores raras, como a tuberosa, o ylang-ylang e o osmanthus sobre a base quente, doce e "enevoada" de âmbar, baunilha e incenso, Volupté torna-se um perfume refinado, luxuoso e de efeito clássico. 
Para quem aprecia um bom perfume.

domingo, 22 de julho de 2012

Miracle

Uma composição floral/frutal muito leve e radiante, perfeita para uso constante, principalmente durante o dia.

Miracle é uma fragrância com saída de lichia e frésias, combinando romantismo, luminosidade e alegria. O tema do perfume reside nessas notas iniciais, somada ao efeito fresh e spicy do gengibre. O corpo contém magnólias, jasmim e pimenta. Esta última é muito discreta e, somada ao gengibre, confere densidade ao aroma.
A base é de âmbar e musk: ambos finalizando o perfume de maneira muito sutil.
Miracle, assim como Chance, de Chanel, é refinado por ser discreto. Diria até pouco inventivo, mas agradável. É jovem, rosado, fresco. Perfeito para quem curte florais mais leves, mais "clean" e de fixação discreta, porém duradoura.
Miracle tem o "quê" dos buquês florais dos idos anos 80, porém com acento mais jovem e estimulante.

sábado, 21 de julho de 2012

Lichia


A fruta chinesa é, hoje, também cultivada no Brasil e apreciada por muitos. De sabor sutil e polpa gelatinosa e translúcida, é fresca e suculenta. Na perfumaria, conseguiu-se, sinteticamente, criar o aroma da lichia por meio de combinações, já que extrair a essência do fruto não é algo possível ou rentável, devido à grande quantidade de água presente no fruto.

O aroma da lichia é levemente floral, rosa e discretamente abaunilhado, usado em composições florais luminosas, atribuindo-lhe frescor e "aquosidade" ou em fragrâncias orientais, combinada com âmbar ou baunilha, criando um efeito gourmand. Também se junta a outras notas frutais como ameixa, pêssego e goiaba.

Grandes perfumes como Coco Mademoiselle, de Chanel, Miracle, de Lancôme, e The One, de Dolce e Gabbana nos dão uma ideia de como funciona essa delícia em criações perfumadas.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Perfume com cheiro de livro novo... É mole?

A ideia surgiu da união do famoso editor Steidl Gerhard, da revista Wallpaper, com o perfumista Geza Schoen e o estilista Karl Lagerfeld.
A fragrância é inusitada, mas reproduz um cheiro que já é paixão de muitos: páginas de livros novos. Uma homenagem à literatura, ao design e à arte da perfumaria. Seu nome, Paper Passion.
Segundo descrições, o perfume tem cheiro de madeira seca e oleosa e conta com quatro ou cinco ingredientes que se unem para reproduzir o efeito de páginas recém impressas.
O estilista e design Karl Lagarfeld foi convidado para criar a embalagem exterior: um livro que traz em seu interior o frasco do perfume. 
O valor dessa pitoresca e original criação é de, aproximadamente, 98 dólares e pode ser encontrada no endereço http://www.steidlville.com/books/1312-Paper-Passion.html
A obra será apresentada na Exposição Wallpaper * Handmade, em Milão.
................
Obras como a apresentada já não são novidade para a perfumaria. Combinar ingredientes para se conseguir cheiros "inusitados" é uma constate. Já temos odores que lembram o caviar, o sal marinho, a terra, algodão-doce, pipoca, entre outros.
É a perfumaria alçando voos cada vez mais altos e tocando a sensibilidade das pessoas em todo o mundo.

domingo, 15 de julho de 2012

Triumph de O Boticário


Alguém se lembra dessa maravilha?
Triumph é mais um dos "finados" de O Boticário. Uma colônia nobre, sofisticada, com notas de madeiras e efeito incensado em meio ao arranque fougère aromático. Notas frescas de lavanda e nunces cítricas com corpo levemente picante (algo como gengibre) e fundo de sândalo, provavelmente, e vetiver. Um perfume refinado e viril, com cheiro de literatura.
Triumph nos levava ao prazer de folhear um bom livro com páginas novinhas, estalando, ou à beleza e à leveza de um dia ensolarado, após o banho, com roupas secas e limpas, de estilo levemente clássico, com bom humor e um belo sorriso no rosto.
Não há na perfumaria, até agora, nada que se aproxime verdadeiramente de Triumph.
Tenho a sorte de tê-lo ainda, no frasco original, bem guardado.
Pena que seja só pra lembrar...
Um belo perfume, enfim. E inesquecível para muitos!

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Contouré ainda existe?

Por indicação de um iluminado visitante do blog, encomendei o desodorante "Contouré", louco para relembrar aquele cheirinho. E vejam só: é o próprio, na versão desodorante, claro! A colônia, realmente, não é mais fabricada, mas confesso que após o banho de ontem usei o tal como se fosse aquele delicioso "perfuminho" que tanto marcou minha memória.
Contouré é o que se conhece como "perfume barato". Está longe de ser complexo e glamouroso como muitos que cito aqui no blog. Entretanto, para a memória da gente, para se obter pequenos momentos de recordação e alegria proporcionados por um perfume, dependemos mais da sorte de encontrar o dito cujo do que de fortunas disponíveis para comprá-lo. Inclusive, vale citar: paguei menos de dez reais no frasco do desodorante (rsrsrs).
Beijo grande, meu povo!

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Opium pour Homme


Lançado em 1994, quase duas décadas após o polêmico e imortal Opium tradicional feminino, Opium pour Homme mantém as notas picantes e orientais da famosa versão feminina, sem a presença marcante da canela, envoltas em nuances frescas, mentoladas  e balsâmicas. Um perfume irreverente e com uma certa ousadia em sua proposta, precursor de uma nova tendência das fragrâncias masculinas: contém notas orientais mais doces de baunilha e picantes de pimenta, contrastando com o frescor spicy do anis estrelado e da galanga (raiz com odor aproximando-se do gengibre). Até então, os perfumes masculinos eram mais fougère, aromáticos e amadeirados e menos orientais e doces. 
Ao fundo, ainda conta com a nobreza do cedro e bálsamo de Tolu.
Opium pour Homme é um perfume instigante. Com efeito áspero e, ao mesmo tempo, fresco e doce. Difícil de definir..."Intoxicante" para alguns... Talvez aí resida o tema dessa curiosa composição.

sábado, 30 de junho de 2012

Royalty

Uma colônia metida a perfume com notas cítricas em mesma proporção que as florais e ambaradas. Tal combinação funciona como uma centelha para despertar sentidos e criar agradável sensação olfativa: limão, mandarina, orquídea, íris, cedro, âmbar, baunilha e musk. Tudo junto.
Trata-se de uma composição que justifica a cor roxa quase preta do frasco: fragrância que lembra um mix de frutas como groselha, framboesas, amoras... O limão é persistente durante toda a evolução da combinação floral/frutal do perfume, além das notas de cedro, que se percebem logo após as vaporosas notas de cabeça, tornando-a menos doce, com as notas de baunilha mais equilibradas. O musk é muito sutil.
Há quem sinta em Royalty notas semelhantes a Cristal Noir, de Versace... Confesso que acho este último bem mais ambarado e cremoso, lembrando uma deliciosa goma comestível de pêssego e frutas roxas...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...