quinta-feira, 26 de maio de 2011

Absinto

A expressão floral talvez nunca tenha tido tanta ênfase como na década de 80. Um misto de romantismo e ousadia fazia das mulheres novas criaturas, agora mais emancipadas e tomando consciência de sua participação na sociedade. Os saltos e o corpo esculpido já eram a imagem da mulher de então. Dona da sedução e, ao mesmo tempo, feminina como nunca, cria-se a exigência de novos amparatos. A adoloscência da época refletia também o desejo de um redimensionamento. Com grande desejo de expressão, encontravam nas bandas de roque uma forma de exaltação e esgotamento. As fragrâncias dessa década se baseavam nos florais. Florais frescos, como Paris e florais orientais bem adocicados faziam a cabeça da galera: Lou Lou de Cacharel e Poison de Dior. No Brasil, surge Absinto. Com uma campanha muito bem bolada, instigava o consumidor jovem com a frase: "Proibido para menores". Uma bomba. A empresa Água de Cheiro, ainda muito jovem, talvez nem esperasse tanto sucesso e pôde competir com a poderosa O Boticário que lançava um de seus grandes sucessos: Thaty. A publicidade trazia um corpo feminino tatuado, revelando toda a irreverência e ousadia da mulher. Criado em 1987, com um nome que referencia uma bebida de altíssimo teor alcoólico e envolta por contextos parisienses notívagos e voluptuosos, Absinto vai diretamente ao encontro da fragrância de Dior, Poison, que em português significa veneno (lançada em 1985). Hit eterno, é uma fragrância nacional com claras características de um perfume importado, mais especificamente francês. Floral frutal, claramente notado, contém especiarias que conferem à exagerada doçura um corpo quente e picante. Absinto não tem nas notas de saída os famosos citrus que "alavancam" a fragrância. Sua cabeça é corajosamente e extremamente floral: rosas, tuberosa e ylang-ylang, ou seja, três flores símbolo de mulher romântica, misteriosa e sedutora, respectivamente. O corpo da fragrância é frutal especiado, com anis, e ao fundo o vetiver, o cedro e o musk cálido e persistente. Não há como não ser notada com uma fragrância desse calibre. Não há como não sentir uma pontada de nostalgia, afinal os anos 80 marcaram profundamente a mulher brasileira. Para as curiosas, já existe o flanker Absinto Elixir, uma reinterpretação que, confesso, me deixou curioso...

17 comentários :

  1. Nossa, esse perfume é muito bom!Um dos melhores!Evidentemente baseado no Poison, a essência de absinto é uma das que mais adoro,aliás,é mais. Como pode existir um aroma tão misterioso, doce e atrativo?
    Parabéns à maravilhosa "Água de Cheiro", por respeitar os consumidores e continuar a produzir esta jóia de perfume, apesar do tempo.
    Não é só a época em que vivemos que define os perfumes que temos que usar mas sim, o que cada um acha que deve usar. O estilo é pessoal!
    Quem ainda não conhece Absinto, não pode perder mais tempo...
    Fui sentir o Absinto elixir, achei que poderia ser uma variação do original, acrescido de algo a mais, enfim, eu não achei que deveria ter este nome porque o perfume não carrega nada, nenhuma característica ou nota evidente do Absinto.Ele se parece com esses perfumes doces e comuns que predominam na atualidade, nem lembro direito se posso fazer um paralelo com o Fantasy, mas acho que seria por aí.

    PS: uma coisa observei com o tempo, perfumes com nota de tuberosa( bem dosada, é claro) sempre me conquistam!

    ResponderExcluir
  2. Que ótimo! Já tenho uma prévia do que seria o Absinto Elixir... Pelo que descreveu, são aqueles florais/frutais com insinuação gourmand. Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Sara, Cris:
    Afinal qual é a melhor versão brasileira de Poison de Dior, Absinto ou Cúmplice (Acqua di fiori)?

    ResponderExcluir
  4. Acho Cúmplice mais fiel, talvez pelo teor spice combinando com as flores. Cúmplice contém notas orientais mais intensas. Envolve pela densidade das notas exóticas o que, em Poison, é obtido principalmente, com a tuberosa, as frutas vermelhas, a canela, coentro e o mel. Interessante notar que em todos os três há a presença da tuberosa. Percebo Absinto mais floral, menos oriental (só anis dá o tom de oriente aos acordes florais), entretanto bastante interessante por conter as três flores mais femininas da perfumaria: rosa, tuberosa e ylang-ylang.

    ResponderExcluir
  5. Então Yvan, eu gosto dos dois perfumes, ambos são ótimos. O Cris descreveu as notas mas eu sou uma apreciadora das fragrâncias somente, não sei definir bem(ainda) as notas dos perfumes, a não ser que se destaquem muito ao meu olfato.

    Eu diria que o Cúmplice é mais doce e até um pouco mais gostoso que o Absinto porque este tem aquele toque meio metálico que o Poison tem, uma nota meio contundente no meio do doce todo.

    O problema é que o Cúmplice, pra mim, tem uma fixação menor e eu gosto justamente dos perfumes mais fortes.

    Resumindo, Cúmplice é um pouco mais gostoso e Absinto um pouco mais parecido ao Poison.

    ResponderExcluir
  6. Na verdade, não pensei no quesito fixação. Nesse ponto concordo com a Sarah: Absinto é mais forte, porém não o considero mais "denso" que Cúmplice (sabe aquele cheiro que vai além? Profundo?). Acho que são as notas metálicas que a Sarah captou.
    Obrigado, Sarah, mais uma vez!
    Continue nos presenteando!

    ResponderExcluir
  7. Sarah,
    Obrigado pela opinião. Sou fascinado pela arquitetura dos perfumes, do frasco até a cor. O que mais me toca é a idéia, a concepção do "artista", as flores usadas, o passeio imaginário por terras longínquas que a gente faz quando sente "Opium" ou "Samsara"... Imagine o que foi um "Diorissimo" na época em que foi lançado. Curioso é que para usar gosto de poucos...

    ResponderExcluir
  8. Nossa, usei muito!!!! Era muito doce e intenso, fixava muito bem, eu passava pra ir para o colégio a noite e pela manhã do dia seguinte ainda estava perfumada!!! (sessão nostalgia)
    Meu gosto pra perfume mudou muito... Envelheci...
    Obs: estou ficando com vergonha de comentar, o pessoal aqui é "expert". Parabéns à Sarah, Yvan e claro a vc Cris!!!

    ResponderExcluir
  9. Patrícia, quero que fique à vontade! O Yvan e a Sarah são seguidores queridos e fiéis, além de serem muito gentis. Aproveite para trocar ideia com eles. É assim que se aprende!
    Você também tem uma sensibilidade aguçada. É só trabalhar isso com afinco!
    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  10. Por favor me informe sobre a volta do perfume exuberance, ou mesmo se houver algum que tenha a mesma fragrância, este perfume foi o único que usei e não me deu alergia.Acho incrível o Boticário lança um perfume, remove-o do mercado a a gente fica falando sozinha, por favor meu amigo me ajude sim.
    Obrigada

    ResponderExcluir
  11. todas essas frangrancias da linha do ravel foram inspiradas em perfumes frances, eu trabalhei no boticario e alcancei todas elas e so lembro q kalanit foi inspiraçao de amarige. mas se alguem conhecer uma vendedora boticario q trabalhe la a uns 15 anos obtera essas informaçoes existem catalogos nas lojas com essas informaçoes

    ResponderExcluir
  12. Gostaria de saber qual a diferença entre o perfume absinto e o absinto elixir?

    ResponderExcluir
  13. Fiquei com vontade de comprar, só que agora fiquei em dúvida, pois achei duas versões!
    O perfume Absinto e o Absinto elixir!
    Qual a diferença entre os dois?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A diferença pode residir na concentração de essência ou ir além: uma nova arquitetura que realça os principais componentes capazes de definir determinada fragrância.

      Excluir
  14. Alguém conhece algum perfume q tenha a mesma fragrância do Kalanit (boticário ) q saiu d linha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Kalanit se inspirou em Amarige, de Givenchy.

      Excluir
    2. Sim. Kalanit se inspirou em Amarige, de Givenchy.

      Excluir

Participe deste blog. Vamos trocar experiências olfativas!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...